A morte da televisão

Ok, como posso falar isso sem te magoar? Bom, papai tá bem. Mamãe tá bem. Vovó tá bem. Vovô tá bem. Titia tá bem.

Mas quem não tá bem, você pergunta? Ora bolas, a tevelisão, aquela danada.

Preciso antes de tudo confessar que não tenho muita autoridade para falar sobre a televisão, afinal, deixei de assistir há quatro anos. Mas… isso não significa que eu sou o que mais tem autoridade? Não sei.

Só sei que television is dead. Está morta a televisão, long live the internete.

TV_Morta

Creio que falar que a internet está cada vez mais tomando conta do espaço televisivo é basicamente a mesma coisa que falar “sair pra fora” ou “hemorragia de sangue”. Quero dizer, é a porra de um pleonasmo. Nos tempos atuais os adolescentes mesmo já não ficam tanto tempo na televisão, é mais fácil vê-los num tablet, smartphone ou o clássico computador.

Devo argumentar que até mesmo o computador parece estar morrendo (gerúndio) aos poucos. Mas, como ainda não consigo viver sem ele e odeio ter de surfar na web no meu celular, não falarei sobre isso.

O que posso sim dizer é que minha deficiência de televisão não é a mesma coisa que a minha deficiência de vitamina D. A televisão já não tem parte alguma na minha vida, e eu estou muito bem, obrigado. Há hoje mesmo alguns seriados que estão disponíveis na internet e não estão na televisão, outros são seriados que estão sendo também transmitidos na televisão, mas apoiados pelas gigantes da internet.

Vamos começar pelo topo:

Community foi cancelado pela NBC e o mundo foi pro caralho, ninguém conseguia se controlar e todos pareciam estar a ponto de explodir. Salvou-se por conta do Yahoo, que adquiriu os direitos e agora, toda terça, só é preciso entrar no site do Yahoo Screen e ver os novos episódios de graça.

Também no YS foi liberado ao todo o seriado Sin City Saints, embora este eu não tenha gostado. Mas é sempre bom lembrar.

Unbreakable Kimmy Schmidt é um seriado criado pela Tina Fey, mas que não foi aprovado para passar na televisão. O que aconteceu? Uma das gigantes da atualidade adquiriu os direitos e produziram o seriado, creio tenha sido liberado todo de uma vez na Netflix. “Emissora” essa que é absurdamente famosa e cheia de seriados originais, como House of Cards que também é super conhecido e tem boas críticas. Creio que nem um nem outro passa na televisão, e sei que Community e Saints também não passa.mozart

Um seriado de comédia que fala também de música clássica? Não apenas Mozart In The Jungle faz isso muito bem como também é transmitido apenas na internet, para os usuários da Amazon. Claro, sem ser um usuário do serviço da gigante de vendas, eu o achei no belo mar de torrents, e dizem que pirataria faz mal para os negócios… E Mozart está com uma boa nota no IMDB!

Agora, vamos descer. Estamos na escola pública do audiovisual da internet, nós a chamamos de YouTube. É lá onde todos estão ou querem algum dia estar (eu incluído, pois possuo uma ideia para um seriado). Os seriados (digamos shows) que assisto no YT não são mega produzidos ou são financiados pelo site, são apenas lá publicados.

the_drunken_peasants_by_thedavecreator-d7wvtaz

Drunken Peasants

Começo pelo Drunken Peasants, um show semanal (três vezes por semana: seg, qua e sex) com três apresentadores – e ocasionalmente um convidado especial – que discute sobre as novidades do mundo religioso, político ou então apenas comentam sobre vídeos de malucos conspiracionistas. O show é americano, então é claro que as notícias são todas de lá, a não ser que haja algo que envolva todo o mundo, como o caso do Charlie Hebdo.

Passamos agora para o Tony & Chelsea Live. É um show semanal (às quintas) que discute novidades sobre o mundo da fotografia e fazem análises de fotos e portfólios enviados pela audiência. Outro show semelhante é o Raw Talk, que fala sobre o mundo fotográfico em geral.

Dentre estes shows, o Tony & Chelsea Live é patrocinado pelo SquareSpace. O Raw Talk é patrocinado tanto pelo SquareSpace quanto por uma outra variedade de marcas.

O mais impressionante é o Drunken Peasants, patrocinado pela comunidade. É por isso que eu uso Linux, porque a porra da comunidade é incrível. Eles ganham a bagatela de sete mil dólares por mês para fazerem o show, isto é o equivalente a basicamente R$ 22,000 no valor atual do dólar. Isto é, atrevo-me a dizer, mais do que alguns filmes brasileiros conseguem faturar em um mês de exibição. E imagine isto por todo um ano. Eu faço a conta para vocês: é R$ 264,000 ao todo, e se fosse dividido entre os apresentadores, oitenta e oito mil reais para cada um deles.

AMIGO, ISTO É MAIS DO QUE UMA PROFISSÃO QUALQUER GANHA POR ANO NO BRASIL.

Quando dizíamos alguns anos atrás que produtores de conteúdo da internet algum dia superariam os trabalhadores comuns da sociedade, riam de nós. Hoje em dia, esses mesmos produtores de conteúdo é quem riem deles.

Obviamente não me incluo nessa categoria de criador de conteúdo que ganha tanta grana assim, infelizmente, mas apenas porque minha audiência não é ampla.

O Patreon é o que está mais possibilitando a esses criadores de conteúdo a terem seu produto lá, pois podem ser suportados pela comunidade, que recebe vantagens por patrocinarem os shows. E na lista de shows eu incluí apenas aqueles que tem duração de mais de hora, pois ainda há Every Frame a Painting, Filmaker IQ, Film Riot e milhares de outros que sigo. Além disso, é claro, tem muitos outros que ainda desconheço.

Trailer de Mozart In The Jungle, pois é excelente (não achei legendado, mas já dá pra pegar o ritmo):

Por fim, deixo-lhes este linque e esta lista:

http://spotniks.com/10-pessoas-que-mais-fizeram-grana-com-o-youtube/

Logo, acredite em mim quando eu digo que sem a televisão eu estou muito bem, obrigado.


Lucas Zanella

No blog posto geralmente textos de opinião assim como também histórias curtas. Aqui você encontrará fantasia, terror e ficção científica. Talvez até mesmo algum drama ocasional.

Comente a postagem! :)