O dia em que eu lembrei o que nunca havia esquecido

Hoje mesmo eu percebi uma coisa incrível na sala de aula, minha mente é extremamente idiota. Em outro lado, também consegui completar uma aposta feita com um colega e escrevi 30 páginas do livro em uma semana, chegando à 150 páginas no formato em que estou escrevendo ele.

Se você já leu o blog mais de uma vez, sabe muito bem que tem duas coisas com as quais eu sou péssimo, são elas: fazer sinopses e me lembrar de coisas. Eu não me lembro tanto de coisas que facilitar o entendimento e enfatizar o fato, eu sempre falo que tenho uma espécie de Alzheimer. Isso, na verdade, não é algo que eu falo por falar, e sim para me acostumar, afinal, eu sei que quando ficar velho e se a medicina não tiver achado uma cura para isso (na verdade, acho que já acharam mas tô sem vontade de fazer uma pesquisa), eu vou ter Alzheimer. Não falo por falar e tampouco falo porque acho engraçado.

url

Pegando como exemplo essas duas coisas, hoje me ocorreu um fato estranho, que foi o dia em que eu me lembrei do que nunca havia esquecido. Isso pode soar estranho quando você é um observador desatento, ou até mesmo um atendo acharia isso estranho. Pô, até mesmo eu acho isso estranho, mas esse não é o caso. Quando digo que me lembro do que não havia esquecido pretendo simplesmente falar que hoje eu me lembrei de todas as coisas inúteis que o meu cérebro guardou.

Eu sempre soube que tinha um certo problema com matérias, mas não sabia que o problema era tanto que minha mente bloqueava completamente ela e se concentrava em partes insignificantes. Hoje estou no terceiro ano, talvez ano que vez vá estar novamente, e me lembro de coisas do primeiro ano que simplesmente não deveriam nem mesmo estarem guardados na minha memória. Se eu fosse um computador, eu seria um dos piores do mundo.

Há três coisas que são completamente insignificantes que eu me lembro dos três anos do ensino médio, as capas dos livros de português, não o conteúdo, a capa! Agora você me pergunta: “mas o que você se lembra?”, e eu te respondo: me lembro que no livro do primeiro ano, eu avistei um iPhone, no livro do segundo, Steve Jobs e no livro do terceiro, que recebi hoje, um Macbook. Eu me lembrei de todas as outras capas instantaneamente.

O pior de tudo é que eu simplesmente reconheci o Macbook por causa da tecla Command nele, e isso que ela estava muito difícil de enxergar. Eu sou um caso perdido. Essas imagens foram tiradas do Google, então se o número ali não pudesse ser mostrado, processe a Google.

Eu lembro de outro brilhante exemplo que mostra perfeitamente o cérebro inútil que eu tenho. Era uma aula de biologia, primeiro ano, o assunto era compostos orgânicos, a professora havia nos deixado sozinhos na sala de aula porque precisava tirar cópias de um trabalho. Eu me lembro de tudo, até mesmo que ela contou uma pequena piada sorrisa antes de sair, mas eu não me lembro do conteúdo. Tivemos uma aula sobre o assunto alguns dias atrás, e ainda assim, eu não me lembro o que é um composto orgânico, mas me lembro de todo o resto da aula.

Algum dia explicarei as categorias de piadas, comédia e humor, não pretendo incluir nesse post, então apenas finja que sabe o que é uma piada sorrisa.

Eu juro do fundo do meu coração, que eu não sei por que meu cérebro não pode funcionar corretamente, apenas sei que a culpa não é minha. Quer dizer, o cérebro de todos é ótimo em sua própria maneira, até mesmo o meu, afinal, eu escrevi 600 palavras de algo que eu poderia descrever em apenas 10, e pra mim isso é foda. Ainda assim, eu queria tanto ter o cérebro de alguns dos meus colegas, principalmente aqueles que pensam que física é fácil.

Talvez eu tente remover o cérebro deles enquanto estiverem inconscientes, é, talvez.

 

Compartilhe – Comente – Cante – Dance – Lembre

(não revisarei, então ignore os erros)


Lucas Zanella

No blog posto geralmente textos de opinião assim como também histórias curtas. Aqui você encontrará fantasia, terror e ficção científica. Talvez até mesmo algum drama ocasional.

One Comment

  1. O Prof. Pierluigi Piazzi explica essa “memória seletiva”. Dê uma googlada que você acha.

Comente a postagem! :)