O mundo cinza e o mundo colorido

Olhe, eu não planejava escrever nada a respeito da aprovação do casamento gay nos EUA, pois sabia que não era nem de perto necessário escrever algo ou mudar minha foto do perfil para que os outros soubessem que sou contra o preconceito. Se deu tudo certo, os últimos anos da minha vida falam por si só toda a minha opinião. Todas as minhas discussões revelam minha opinião, e todos aqueles que me veem podem perceber que sou uma boa pessoa e, portanto, contra todo o tipo de ódio para com seu semelhante.

E, pelo que entendo de mim mesmo, aparentemente também tenho características um tanto quanto femininas, embora seja hetero, muito bem, obrigado. Mas, francamente, fui criado apenas por mulheres durante pelo menos 12 anos da minha vida, então eu ter pego alguns gestos e características não me é surpresa. Sendo sincero, me surpreendo por não ser gay. Sério. Eu tenho tudo para ser, até já fui cantado por uns algumas vezes. Mas esse não é o ponto da conversa.

Parada-Gay

No dia 26 os Estados Unidos da América tornou possível, em todo o país, o casamento entre duas pessoas do mesmo gênero. Até então, se não me engano, por volta de 36 (ou 26) dos 50 estados haviam permitido. É engraçado pensar que você poderia sair de Novo México com seu marido para passar as férias no Texas e lá você era solteiro.

Como comemoração, o Facebook dispôs um script que colocava sobre seu avatar um filtro representando a bandeira LGBT. E então o Facebook se tornou como um grande céu cheio de arco-íris, embora eu não houvesse trocado meu avatar. Cheguei até a olhar como seria, mas ele ficava horrível por conta do contraste da imagem original.

No Twitter, me mantive em silêncio por algumas horas, embora houvesse visto a notícia. Apenas fui postar algo 14 horas depois, e era apenas uma piada sobre trocar a foto do perfil. Na verdade, tudo o que escrevi sobre o casamento gay até então foi apenas uma grande piada, com significado, e você poderia achar minha opinião lá sob o capô, mas ainda assim uma piada. Apenas agora me coloquei para escrever algo que seja sério, no maior estilo Cronicis.

 

E resolvi escrever isso por causa de um filme. O que mais, não é mesmo? O cinema pode nos mostrar muitas coisas, até mesmo o quanto queremos falar sobre algum assunto. Percebo que apenas postar piadas no Twitter não é o suficiente para a minha cabeça, eu preciso falar com alguém. E é isso o que você é, grande caixa branca onde escrevo, pois sei que, de todos os que curtirem a postagem compartilhada no Facebook, apenas uma pessoa irá ler esse texto.

Facebok-Piada-Gays

Esse foi basicamente meu único texto sobre o assunto até o momento

O filme em questão se chama O Jogo da Imitação, e conta a história de Alan Turing. O senhor Turing foi uma pessoa excepcional, e só Deus sabe o que teria sido do mundo sem ele (e o que teria sido do mundo se ele…). Salvou a vida de milhões de pessoas durante a guerra contra a Alemanha Nazista, e depois recebeu seu pagamento, foi condenado como um criminoso… Qual foi seu crime, você pergunta. E eu digo: ser gay.

Ele foi sentenciado a tomar hormônios para se curar da “gayzisse” (ou então seria preso), e um ano depois cometeu suicídio. O homem que é um herói de guerra morreu por gostar de homens. Mas apenas agora vem a parte interessante, e ela diz respeito ao mundo como um todo:

ELE TEM GENTE PRA CARALHO!

Isso mesmo. Tanta gente que enche pelo menos três Plutões. E, no meio dessa quantidade toda de pessoas, algumas delas fizeram coisas incríveis. Agora vem a parte em que eu explico o que isso realmente significa: alguém que você odiaria fez algo que você ama. O viado Turing, por exemplo, criou o início de algo que chamamos de Computador. Assim como, pelo que sei, grande parte das pessoas que você acha foda. Os filósofos que deram início ao pensamento, viados. Alexandre o Grande, Leo Da Vinci, Michelangelo, alguns físicos famosos, todos bixas.

Alguns religiosos usam o computador inventado por um gay para compartilhar ódio evangélico numa rede social criada por um ateu. É irônico. É por isso que não vale a pena odiar as pessoas, pois nós precisamos delas. Você usa pelo menos uma coisa inventada ou baseada no invento de alguma pessoa cuja ideologia ou princípios você odeia, te enojam.Captura de tela de 2015-06-28 07:45:44

E volta e meia esse ódio tira do mundo pessoas excepcionais, como Alan Turing, que poderia, talvez, ter avançado a informática ainda mais naquela época, tivesse permanecido ele mesmo após começar a tomar hormônios. E isso me emputece de uma maneira que você não compreende. É como quando você sente tanto ódio de algo ou alguém que não consegue expressá-lo, mas eu não saberia dizer… não odeio pessoas. Odeio ideologias, e com elas posso gritar, derrubar, me esquivar.

 

Mas, no fim das contas, os malucos ganham. Os malucos dizem que o Titanic afundou por conta do que falaram sobre Deus, dizem que as mulheres não tem voz, dizem que os negros não devem permanecer nos mesmo locais que os brancos, e dizem que basicamente todo mundo deve ser apedrejado. E, é claro, como sempre, os malucos se baseiam na Bíblia. Não sou e mais que certamente nunca vou voltar a ser cristão, mas sei que Jesus não teve a intenção de deixar a mensagem que vocês estão espalhando por aí. Quão difícil é entender “amem-se”?

 

E após uma decisão controversa, nós comemoramos que os macacos podem comer banana, que a água pode tocar a areia, que o sol pode ir e vir, que os ventos podem ser frios e que os gays podem casar.


Lucas Zanella

No blog posto geralmente textos de opinião assim como também histórias curtas. Aqui você encontrará fantasia, terror e ficção científica. Talvez até mesmo algum drama ocasional.

2 Comments

  1. “Alguns religiosos usam o computador inventado por um gay para compartilhar ódio evangélico numa rede social criada por um ateu” Eis que então exclui essa rede social por não aguentar tanta babaquice, agora tô amando!

    • É uma boa ideia, Bruna. Eu nem uso muito o Facebook, apenas continuo com ele porque preciso divulgar as postagens e ainda tem gente por lá. Ironicamente, uso mais o Google Plus…

Comente a postagem! :)