O tempo, todo ele

Terça-feira é um dos dias em que estou na escola pela manhã e não há nada para fazer. Durante as quedas de luz causadas pela terrível chuva que afugentava professoras das salas de aulas comecei a pensar. Comecei a pensar sobre o tempo, não esse que estava acabando com aulas planejadas há dias, mas o tempo como um todo, quero dizer, as horas que teimam em não passam nos momentos ruins, o tempo que corre em bons momentos…

 

Durante um de meus devaneios, estava em pauta exatamente isso. Como tenho um bocado de coisas para não fazer, comecei a escrever esse texto. Ainda não sei se ele é uma crônica, mesmo com o livro que acabei de ler, emprestado pela minha professora de português.

 

Se não fosse a falta de tempo, talvez muitas coisas não teriam acontecido, digo, Newton poderia não ter sentado sob um pomar, Einstein poderia ter ido vender pipoca na praça, Gates poderia ter trabalhado numa loja de informática ou, talvez, nós não teríamos nascido. Todas essas pessoas não tinham absolutamente nada para fazer, todas elas poderiam ter pensado em algo melhor. Porém, uma maçã caiu na cabeça de Newton, Einstein nos mostrou a teoria da relatividade, Gates ficou bilionário, e nossos pais, bem, deixa pra lá…

 

Assim, o que eu quero dizer é que a extrema falta de tempo pode não ser uma coisa tão ruim, falta apenas uma ideia, algo que possa ser feito, algo que vá revolucionar a história da humanidade. Só nos falta tempo para ver isso acontecer.

 

Lucas Zanella

Aluno do IF Farroupilha Campus Sto. Augusto


Lucas Zanella

No blog posto geralmente textos de opinião assim como também histórias curtas. Aqui você encontrará fantasia, terror e ficção científica. Talvez até mesmo algum drama ocasional.

Comente a postagem! :)